Feeds:
Posts
Comentários

Por: Flávio Demarchi

Interessante o artigo da Flávia Perogin no cana IG Casa. Nas suas dicas de organização de um Home Office ela dá conselhos simples, que não haviam passado pela minha cabeça. Um trechinho:

“Observar os detalhes ajuda a profissionalizar. Ter uma mesinha com café, água e afins é melhor do que convidar um cliente ou visitante para ir à cozinha. É preciso deixar o ambiente claro e arejado – contando com móveis e paredes em tons suaves e persianas ou cortinas novas e limpas.”

O engraçado é que eu mesmo já estive em uma reunião no Home Office de um cliente e fiquei bastante desconfortável em ser recebido na sua cozinha. Mesmo não me importando em estar na casa dele, me senti invadindo.

Mesmo assim, como não costumo receber visitas, sempre pensei que o ideal é receber clientes e fornecedores em um ambiente mais adequado, como uma sala de reunião (que pode ser alugada), ou um bom Café. Mas se tiver o espaço para três poltronas e uma mesinha de centro, acredito que seja até melhor para pequenas reuniões.

Alguns profissionais, como eu, tem a vantagem de não precisarem receber visitas de clientes. Entretanto, acredito ser igualmente importante receber bem um fornecedor e um cliente. Além de ser a atitude correta, fortalece relacionamentos profissionais e beneficia ambos os lados em uma negociação. Tem uma frase que recebi hoje de um amigo por e-mail que ilustra bem o relacionamento com fornecedores: “Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.”

Leia o artigo completo da Flávia aqui.

Por: Flávio Demarchi

O meu maior desafio no ambiente de trabalho (leia-se minha casa) são as distrações. Tem sempre alguma coisa acontecendo por aqui me impedindo de ser mais produtivo. Especialmente o telefone. Como não costumo usar, a maioria das ligações acabam sendo engano (não aguento mais falar que aqui não é do Bradesco) ou telemala, também conhecido como telemarketing.

O artigo do Augusto Campos que escolhi hoje é sobre como passar por cima de algumas armadilhas e ganhar mais tempo de trabalho.

Todas as dicas são muito úteis, inclusive as mais simples. Eu mesmo adotarei a estratégia de desligar o recebimento automático de e-mail quando tiver que me concentrar para alguma atividade específica. Por outro lado, me sinto incapaz de seguir o bom conselho de deixar a lista de mp3 rolar até o fim, sem ficar selecionando. Pra mim é uma questão de concentração escolher a música certa.

Veja a lista completa no post original: http://www.efetividade.net/2007/05/19/ganho-de-produtividade-interrupcoes/

O link é ótimo e altamente recomendável para aqueles que, como eu, você e o Augusto, se preocupam em aumentar a produtividade.

Mas, convenhamos: a maioria das pessoas quer mesmo é ser interrompida e fazer com que o dia acabe mais rápido. Por isso, só para equilibrar, resolvi fazer uma lista de como produzir interrupções no seu dia-a-dia:

Perca tempo e o emprego: 10 dicas para o dia passar mais rápido no escritório

1- 24h on: Certifique-se que tem uma conexão sem limitações de conteúdo. A internet seria o paraíso se não fossem os firewalls das empresas. Se por acaso o youtube ou o orkut forem bloqueados no seu computador, gaste uma fortuna para comprar um celular 3G e tenha acesso à um mundo de interrupções na palma da sua mão!

2- Monitor: Faça o possível para que o monitor do seu computador fique virado para uma parede. Somente assim você poderá ter a liberdade o suficiente para ver coisas como essa sem ser importunado. Caso a sua mesa esteja virada para o resto da empresa, ou no caminho do banheiro, faça um mapa das melhores posições e seus ocupantes. O seu objetivo é encontrar o melhor lugar com a pessoa mais instável emocionalmente. Uma vez escolhida a mesa perfeita, trabalhe um dia até tarde e troque as suas coisas com as dele, após todos terem saído. Organize as gavetas e todos os objetos da escrivaninha perfeitamente. Tire uma foto, se for preciso. No dia seguinte, chegue mais cedo e sente-se em sua nova mesa com a maior naturalidade possível. Quando o seu colega chegar, olhe para ele com cara de confuso e diga que você sempre se sentou naquele lugar. Ele primeiro vai achar que é alguma brincadeira. Depois vai ficar confuso. Depois vai dar um chilique. Mas não se preocupe que isso passa. Basta que você continue firme na sua posição para que ele entre em dúvida e deixe o monitor virado para a parede para você no final. Negar até o fim costuma dar certo para os políticos, por que não daria certo para você? Esta estratégia funciona melhor se ele tiver poucos amigos e não tenha lido este post.

3- Aprenda a rir por dentro: se você der bandeira que está se divertindo, a diversão vai durar pouco. O ideal é você manter uma cara de ocupado/preocupado enquanto assiste vídeos como este, ou este. Treine bastante em casa, utilizando-se de uma webcam para gravar suas expressões e revisá-las posteriormente. Se ficar engraçado, ou você for bonitinha, envie pra gente e compartilhe a perda de tempo!

4- Web 2.0: A “nova onda” da internet, que nem é tão nova assim, é a melhor invenção desde o sudoku para os desocupados em potencial. Existem diversas maneiras desinteressantes de se perder tempo em sites como Orkut, Flickr, Youtube ou Twitter. No Orkut, busque alguma comunidade só de jogos como “abraça, beija ou chuta da cama?” e passe a tarde inteira julgando pessoas pela fotinho do perfil. No twitter, busque os twitteiros mais neuróticos e acompanhe o dia-a-dia deles. Sugiro o perfil do Vitor (fake) Fasano. No youtube, procure por “photo a day“. No flickr, busque grupos que te obriguem a comentar em outras dez fotos, a cada vez que adiciona uma foto sua à galeria. Urgh.

5- http://iamneurotic.com/

6- Videogames: se você não joga, aprenda a gostar. Não existe outro segmento da indústria de entretenimento que produza mais conteúdo para o seu rss. Todos eles muito úteis para a sua vida, sem dúvida. Outra maneira de se perder tempo é criar um flame war entrando em fóruns do playstation para falar da nintendo, e vice-versa. Nada melhor que milhares de adolescentes enviando mensagens de ódio para você. Se por acaso algum deles te enviar um vírus, comemore o tempo de espera do Northon tomando um cafesinho.

7- Telefone: Lembre da sua infância e passe trote nos seus amigos. Além de divertido, você se mantêm indisponível parecendo ocupado. Especialmente se você treinou bem a dica número 3. Outra maneira para perder tempo no telefone é ligar para todas as empresas que você tenha alguma reclamação em especial. Te garanto que você não vai se importar quando te colocarem na espera. Conheci uma pessoa que adorava ligar para o banco e discutir com a gerente. Ele chegou ao ponto de ligar para uma empresa de doces para reclamar que veio somente um chiclete na caixinha que deveria conter dois. No dia seguinte chegou uma sacolinha com 30 caixinhas no escritório e ficamos todos felizes. O bom dessas dicas é que você já vai treinando para buscar emprego em uma empresa de telemarketing quando chegar a conta do seu ramal e te mandarem embora.

8- http://pbfcomics.com/

9- Arranje briga: escolha o motivo mais fútil possível e forme uma discussão acalorada envolvendo o maior número de pessoas do escritório. Tente confrontar opiniões diferentes entre elas para que a briga continue sem você. Além de ficar com fama de brigão (e te deixarem em paz), depois da tormenta todo mundo vai cuidar da sua vida de cara fechada, te deixando livre para ver todas as tirinhas do link aí de cima.

10- Blog-se: tenha um blog e perca uma manhã inteira fazendo listas. Funciona melhor se todos acharem que faz parte do seu trabalho. Lembre-se sempre da auto-referência no último tópico. 😛

———————————-

Como conselho paralelo, aproveite bem essas dicas enquanto trabalha como funcionário em um escritório. Porque assim que você passar a trabalhar em casa, sendo para os outros ou para você mesmo, é melhor você seguir a lista do Augusto…

Hotspots São Paulo

Por: Flávio Demarchi

Meu sócio Franco Rosário me passou um link muito útil para quem abandonou a vida de escritório em São Paulo: um mapa (colaborativo) com os Hotspots disponíveis na cidade de São Paulo.

Para quem esteve em marte nos últimos anos e não sabe, um Hotspot é um ponto onde se encontra uma conexão wifi para se conectar à internet. Basta que você tenha um laptop, um palm (ainda existe?) ou um Iphone (contrabandeado, por enquanto) para ter acesso à rede. Não conferi ponto a ponto, mas é possível que o local que dispõe a conexão cobre alguma taxa. O que fica claro é que todos os pontos ressaltados no mapa são de cafés, como o Suplicy e o Starbucks. Aqui perto de casa tem um Frans Café (devidamente ressaltado no mapa) com Hotspot que cobra pelo acesso.

De qualquer jeito é uma dica boa para quem não gosta de ficar muito tempo sozinho trabalhando em casa, para quem tem algum problema de conexão, ou simplesmente para quem, como eu, gosta de café expresso. : ]

Prometo dia desses pesquisar e listar outras opções de conexão sem fio, como os modens 3G ou Internet por satélite.

Encontramos a dica no Updaters.

Por: Flávio Demarchi

Para quem trabalha em casa e pode se dar ao luxo de fazer o próprio horário, está passando neste momento na TV um programa imperdível, que se passa muito raramente, de anos em anos:

O clássico “Ernest e as jóias da coroa.”

Delicie-se com esta comédia de 1993 totalmente dublada em português sobre um “tipo atrapalhado que ajuda um professor a encontrar provas para a sua excêntrica teoria: as jóias da coroa estariam escondidas em um canhão dos EUA.” Destaque para quando Ernest tentar comer um milho quente, sem conseguir segurá-lo.

Definitivamente um espetáculo da celebração humana e um elogio à inteligência e ao espírito.

A, sim. Também está passando a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim. Mas isso tem quase todo dia.

Lei seca

Por: Flávio Demarchi

A lei seca estimulou uma discussão nacional sobre os limites do álcool e as responsabilidades do motorista no trânsito. E no ambiente de trabalho? Qual é o limite?

É de costume em alguns países se tomar um copo de vinho na hora do almoço, mesmo nos dias de trabalho. Na itália é assim. Por aqui, dependendo da sua área de atuação, um aperitivo de maracujá (daqueles gratuitos, na fila de restaurantes por quilo) pode ser o suficiente para estimuar mexericos e comentários maldosos entre “colegas” de trabalho.

Trabalhando da própria casa, em um ambiente onde a única forma de controle são os resultados, uma cerveja pode não ser problema. Mas é aí onde mora o perigo.

Não tenho o costume de beber em casa. As cervejas da minha geladeira ficam lá conversando com as azeitonas até eu receber alguma visita. Sou daqueles que preferem um suco com a comida.

Mas se você é fã da marvada, talvez o Home Office não seja a sua melhor escolha. A demanda em excesso, combinada com a falta de controle e a solidão em potencial pode ser uma combinação perigosa.

Talvez pareça uma preocupação um pouco exagerada, mas segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria, 11,2% dos brasileiros que vivem nas 107 maiores cidades do país são alcoólatras (dados de 2002). Ou seja, de 100 pessoas que lêem este post, é bem provável que pelo menos 11 (e um braço :] ) tenham problemas com álcool.

Conselho? Mantenha a geladeira vazia durante a semana. Se você não tiver algo disponível, já criará uma barreira de consumo e pesará duas vezes antes de beber. Funciona com comida também.

Pessoalmente, não vejo problemas em uma taça de vinho durante o almoço. Mas, dependendo do seu cargo, eu (atenção ao trocadilho!) tomaria mais cuidado………………

Portal Home Office

Por: Flávio Demarchi

Apesar de ainda incipiente, o Home Office no Brasil está se organizando bem. Além de iniciativas como este blog que vos escreve, há algumas páginas muito boas sobre o assunto pela internet.

A mais interessante que encontramos foi esta: http://www.escritorioemcasa.com.br

Trate-se de um portal especializado em capacitação profissional e Home Office. Ele oferece serviços e informações importantes para quem quer seguir este caminho profissional.

Sua seleção de artigos, muitos deles tirados do site do Sebrae, são um bom ponto de referência sobre questões jurídicas, relações de trabalho e impostos.

Para quem já trabalha em Home Office, eu aconselho dar uma olhada neste link. Lá você encontra um painel de ofertas de profissionais autônomos que trabalham de casa. Você pode, inclusive, fazer divulgação dos seus serviços gratuitamente, o que é sempre bom. : ]

Foca, amigo!

Por: Flávio Demarchi

Meu sócio Franco Rosário me passou este artigo da Fernando Romano no blue bus.

Dois trechinho: “Assim como eu, uma massa de pessoas está cada vez mais acostumada a não ter horários definidos para nada, a linha entre cada uma das atividades que fazemos não existe mais”

Nao existe mais 9-5, nao existe mais ‘hora de comer’ e, pra quem trabalha em empresas globais – eu garanto – a ‘hora de dormir’ também foi sacrificada”

O tema do artigo da Romano é outro, mais relacionado à mídia e ao Google. Mas sobre o hábito de se perder referências de horário, pessoalmente, acredito ser extremamente pernicioso. Concordo que fazer duas coisas ao mesmo tempo é necessário às vezes. Claro que já trabalhei almoçando, quando foi preciso. Já tive inclusive que trabalhar enquanto recebia visitas em casa e cuidava da minha sobrinha, tudo ao mesmo tempo! Mas considero a falta de divisão entre trabalho e outras atividades a maior armadilha do Home Office. Sem a divisão física entre ambiente pessoal e profissional, o trabalho pode acabar permeando a sua vida por completo, se não tiver o mínimo de método. Se ambiente é o mesmo, que o horário seja diferente.

Entendo que em muitas empresas exista uma competição saudável (ou não) entre funcionários que gostam de se mostrar mais eficientes e acabam confundindo profissionalismo com hora extra. Por razões diferentes, o mesmo pode acontecer em Home Office.

“”… a “hora de dormir” também foi sacrificada.””

Quem sabe depois do sleep learning também não inventam o sleep working. Seria o sonho de muitos chefes, com o perdão do trocadilho.

Esse japonesinho com certeza vai ser um grande interessado quando crescer: